Centro de Biotecnologia da Amazônia - CBA

CBA

Instalado em um complexo com área construída de 12 mil metros quadrados e estruturado principalmente a partir de investimentos feitos pela Suframa, o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) tem por objetivo criar alternativas econômicas mediante a inovação tecnológica para o melhor aproveitamento econômico e social da biodiversidade amazônica de forma sustentável.

O CBA está dividido em mais de trinta unidades componentes, dentre as quais laboratórios, unidades de apoio tecnológico, unidades de apoio técnico e áreas administrativas, todas dotadas de modernas instalações. O quadro técnico-administrativo do órgão é formado por uma quantidade significativa de colaboradores qualificados, incluindo dezenas de profissionais com mestrado, doutorado ou pós-doutorado.

Atualmente, o CBA oferece para o mercado um conjunto de serviços de análises físico-químicas e análises microbiológicas, além de outros serviços técnicos especializados, como ensaios de eficácia e segurança toxicológica.

atual gestão

O Centro de Biotecnologia da Amazônia é gerido atualmente por Fábio Calderaro, economista com especialização em administração de empresas e negócios e mestrado em finanças.

O corpo técnico do CBA conta com servidores de carreira da Suframa e funcionários públicos cedidos de outros órgãos cujas formações passam por diversas áreas do conhecimento, tais como Administração, Direito, Comunicação Social, Arquitetura, Economia, Engenharia Elétrica, Odontologia, Contabilidade e Eletrotécnica.

A equipe de pesquisadores e bolsistas do Centro é composta por 20 profissionais do Programa Nacional de Apoio ao Desenvolvimento da Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Pronametro), todos voltados diretamente à atuação em projetos de pesquisas científicas que visam ao desenvolvimento e avaliação de produtos da região amazônica e à implantação e execução de transferências de tecnologias. Com formações em diversas áreas do nível superior, o grupo apresenta alta especialização lato sensu e stricto sensu, sendo cinco mestres, oito doutores, três especialistas e quatro graduados.


Mais notícias

CBA identifica, na atuação do Cimatec, formas de estimular empreendedorismo biotecnológico na Amazônia

A agenda de trabalho junto ao Senai Cimatec da Bahia foi uma das primeiras agendas proativas do Centro de Biotecnologia da Amazônia com institutos tecnológicos de grande experiência em diversas áreas do conhecimento.

Atuação conjunta e modelos de negócio são debatidos em agenda entre CBA e Cimatec

Na ocasião, todo o escopo de atuação do Cimatec foi explicado aos representantes do CBA, desde as atividades educacionais realizadas pelo Campus dentro da estrutura do Senai até os trabalhos realizados nos diversos laboratórios do local.

Comitiva da Suframa, ME e MCTI visita o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais

Representantes do governo federal visitaram laboratórios de Biociências e Biorrenováveis e conheceram o projeto Sirius, a mais complexa infraestrutura científica já construída no País.

Capacidades do CBA podem apoiar ações do Grupamento de Engenharia do Exército

Cooperação entre as instituições pode contribuir com iniciativas do Exército na área de abrangência do Grupamento de Engenharia, que engloba os estados do Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia e Pará.