Notícias

Oportunidades do setor primário regional são foco de aula magna proferida pela Suframa

Apresentação foi feita durante evento inaugural do Curso de Capacitação Técnica em Gestão das Cadeias Produtivas Animal e Vegetal para o Desenvolvimento do Setor Primário do Estado do Amazonas.
Publicado em 26/03/2021 10h04 Atualizado em 26/03/2021 11h39

Evento foi acompanhado tanto presencialmente quanto virtualmente (Foto: Diego Queiroz/Suframa)

O superintendente da Suframa, Algacir Polsin, participou na manhã desta quinta-feira (25), no auditório da Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror-AM), da aula magna do Curso de Capacitação Técnica em Gestão das Cadeias Produtivas Animal e Vegetal para o Desenvolvimento do Setor Primário do Estado do Amazonas. Inserido no programa "Agro Amazonas", o curso terá o objetivo de capacitar, no mínimo, 30 profissionais em diferentes temáticas visando à melhoria das ações de assistência técnica e extensão rural em todo o estado e à ampliação da geração de emprego e renda para produtores rurais amazonenses.

Além do superintendente da Suframa, a solenidade de abertura do evento contou ainda com a participação do secretário de Estado de Produção Rural, Petrucio Magalhães Júnior, do presidente do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), José Augusto de Melo Neto, e de representantes da Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e de órgãos do Sistema Sepror, entre outros.

Em sua palestra, Polsin buscou explicar as janelas de oportunidades existentes para o setor primário regional a partir da base de incentivos fiscais do modelo Zona Franca de Manaus e das ações da Suframa de atração de investimentos e de fomento às cadeias produtivas locais. Ele também mencionou projetos estratégicos que estão sendo efetivados pela Autarquia em conjunto com diversos órgãos parceiros – incluindo a Secretaria de Estado da Produção Rural – com vistas ao desenvolvimento regional e à redução de desigualdades.

Entre essas ações destacam-se, sobretudo, o Projeto da Zona de Desenvolvimento Econômico e de Conservação da Natureza dos estados do Amazonas, Acre e Rondônia (Amacro), cujo lançamento oficial, segundo o superintendente, está previsto para o próximo dia 20 de abril; a implantação do Bio Distrito Agroindustrial do município de Rio Preto da Eva; o aperfeiçoamento da mecânica de investimentos em projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), especialmente a partir dos Projetos Tecnológicos de Sustentabilidade Ambiental (Protecsus), que possibilitarão investimentos em projetos fora da área metropolitana de Manaus; e também a aprovação da Resolução CAS nº 02/2021, que estabelece critérios para acesso aos incentivos fiscais previstos no Decreto Lei nº 1.435/1975, ampliando possibilidades de industrialização da matéria-prima regional para toda a Amazônia Ocidental.

“Temos que também focar na criação de um banco de projetos, para que os investidores e empreendedores saibam as melhores oportunidades para alocarem seus recursos, bem como investir na bioeconomia e no maior aproveitamento, beneficiamento e valorização da matéria-prima regional. Temos, por exemplo, o caso do pirarucu, cuja carne é bastante saborosa e apreciada pela população em geral. Mas será que essa é a sua parte mais valiosa? Uma bolsa de couro de pirarucu é vendida no mercado nacional por milhares de reais e, aqui, não estamos ainda sabendo aproveitar essa oportunidade. Então esse é um caso que ilustra bem a nossa necessidade de caminhar fortemente na direção da bioeconomia e do maior beneficiamento da matéria-prima regional”, defendeu Polsin.

O secretário de Estado da Produção Rural, Petrúcio Magalhães, agradeceu a participação da Suframa no evento e parabenizou a apresentação institucional pela “visão estratégica da Amazônia” demonstrada. Ele disse também que o curso está alinhado com o projeto de desenvolvimento sustentável da Amazônia, ressaltando que é perfeitamente possível produzir na região com sustentabilidade, utilizando as tecnologias existentes para evitar causar prejuízos à floresta e aos demais recursos naturais. “O nosso planejamento para o desenvolvimento do estado se insere numa agenda global. Temos um estado com uma biodiversidade e patrimônio riquíssimos, mas onde 50% da população vive na linha da pobreza. Portanto, temos o dever de pensar em formas estratégicas para sairmos dessa situação. E essa transformação é feita pelas pessoas, através de visão coletiva e compromisso com a sociedade”, disse Magalhães.

Agricultura e Pecuária