Notícias

Planejamento

Sudene apresenta projeto sobre desenvolvimento estratégico das Bacias Hidrográficas do Nordeste

A apresentação aconteceu nesta quarta-feira (08), durante webinar que detalhou o estudo focado nas Bacias Hidrográficas do Parnaíba, São Francisco e PISF.
Publicado em 08/09/2021 17h46 Atualizado em 14/09/2021 15h19
Sudene apresenta projeto sobre desenvolvimento estratégico das Bacias Hidrográficas do Nordeste

Webinar transmitido pelo canal da Sudene no Youtube contou com a participação de várias instituições de fomento ao desenvolvimento regional.

A elaboração do projeto está sendo realizada através do Consórcio RHA-Techne-Vetrag, que utilizará uma metodologia inovadora, envolvendo análises técnicas das interações entre políticas públicas, sistemas produtivos e as particularidades da região, através da Estratégia de Desenvolvimento Regional Inteligente (EDRI). A ideia é entregar à sociedade um instrumento de planejamento conectado à realidade do território, capaz de integrar políticas públicas e agentes públicos e privados para criar um cenário de desenvolvimento econômico e sustentável para a região.

O superintendente da Sudene, Evaldo Cruz Neto, classificou o projeto como “de suma importância” para a região, estando, inclusive, em sintonia com as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), ao qual a Autarquia é vinculada. Para a gestor, a expectativa é de que sejam entregues “produtos efetivamente aproveitáveis e de forma objetiva, que possam ressoar nas próximas gerações, com muito desenvolvimento, emprego e renda!”.

Representantes do Consórcio RHA-Techne-Vertrag fizeram uma explanação sobre os principais pontos do projeto, que contém informações sobre a estrutura produtiva e a integração de políticas públicas na região; criação de instrumentos de planejamento de desenvolvimento econômico; e articulação dos atores estratégicos representativos da região. Ele está dividido em três etapas – Diagnóstico, Análise e Integração de Políticas Públicas e, por último, Elaboração dos Planos. Os componentes metodológicos incluem estudos de complexidade econômica; integração com outros domínios de análise (alinhamentos com PNDR, PRDNE, ODS, incentivos da Sudene, APLs, Infraestrutura, CT&I, recursos hídricos, meio ambiente, políticas urbanas, etc); Especialização Inteligente (EI); e Políticas Baseadas em Lugares (PBL).

A ideia dos estudos de complexidade, de acordo com o Doutor em Desenvolvimento Econômico, professor da UFPR e especialista em estudos de complexidade econômica, Jair Basílio Pereima, é fazer uma leitura microeconômica do que acontece com as estruturas produtivas (o que as empresas produzem e exportam). Esse levantamento será “representado através da criação de uma rede de produtos”, que vai identificar o que está sendo produzido e quais são as outras potencialidades locais. A troca de informações relevantes e a colaboração mútua podem contribuir com esse processo

Segundo o doutor em Economia, professor da UFPR e especialista em projetos e planos de desenvolvimento, Mariano de Matos, a especialização inteligente é uma abordagem que apresenta como principais características abordagens de desenvolvimento regional baseadas no lugar ou território e na identificação/priorização de áreas estratégicas de intervenção. Essa priorização leva em conta a análise dos pontos fortes e potenciais da economia regional/local, além do Processo de Descoberta Empreendedora ((EDP), com amplo envolvimento dos atores locais. A proposta é “identificar áreas desejáveis para intervenções de políticas de inovação, que estimulem atividades econômicas de maior valor agregado e a transformação estrutural das economias regionais”.

Durante sua participação no evento, a Representante Residente Assistente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Maristela Baioni falou sobre a importância do projeto para o desenvolvimento sustentável, enfatizando que ele está alinhado com as ações do PNUD e com os objetivos de Desenvolvimento sustentável, em especial o 06 (água limpa e saneamento) e o 17 (parcerias em prol das metas). Maristela acredita que a participação da sociedade é um dos diferenciais do estudo.

Além dos gestores da Sudene, do PNUD e de integrantes do Consórcio RHA-Techne-Vetrag, o encontro contou com a participação de representantes dos Ministérios da Economia e do Desenvolvimento Regional. O webinar de hoje foi o primeiro de uma série de três encontros. Os próximos, com datas a serem definidas, irão apresentar o Diagnóstico dos Estudos de Complexidade Econômica (Webinar 2) e apresentação dos planos de ação (Webinar 3).

Saiba mais

A Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) está elaborando os Planos de Ação Estratégicos para as Bacias Hidrográficas dos Rios Parnaíba e São Francisco, incluindo área de influência do Projeto de Integração do São Francisco (PISF). A iniciativa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Durante o webinar, o diretor de Planejamento e Articulação de Políticas da Sudene, Raimundo Gomes de Matos, afirmou que essa ação vai gerar uma sinergia intergovernamental que resultará em um documento norteador para as políticas públicas. “Vai proporcionar, aos munícipios, desenvolvimento integrado, com sustentabilidade ambiental e dinamização da economia”. A metodologia utilizada prevê a interação entre os atores da região, focando na identificação de negócios que possam ser potencializados por políticas de inovação, de infraestrutura sustentável, de políticas urbanas e de capacitação de recursos humanos.

A Sudene está investindo R$ 893 mil para a elaboração dos seguintes levantamentos: um estudo de complexidade econômica e dois planos de ação estratégica, sendo um para a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco e área de influência do Projeto de Integração do São Francisco (PISF) e outro voltado à bacia hidrográfica do Rio Parnaíba.

Participe:

 

Assista: 

Meio Ambiente e Clima