Notícias

No Planalto, Flávia Arruda presta contas ao DF sobre ações do Governo Federal

Ministra brasiliense listou obras e medidas que beneficiaram a população nos 1.000 dias de governo Bolsonaro. Só o Túnel de Taguatinga recebeu R$ 275 milhões
Publicado em 01/10/2021 15h39 Atualizado em 01/10/2021 15h40

O Distrito Federal recebeu diversas obras e ações do Governo Federal nesses 1.000 dias de gestão do presidente Jair Bolsonaro. O balanço das entregas ao povo brasiliense foi feito pelo ministra da Secretaria de Governo da Presidência da República, Flávia Arruda, durante solenidade no Palácio do Planalto.

A construção do Túnel de Taguatinga, obra que recebeu R$ 275 milhões do Governo Federal, é a grande obra hoje em andamento. Flávia, que nasceu e cresceu em Taguatinga, lembrou que o projeto estava engavetado há 12 anos e explicou a sua importância. “Essa obra vai desafogar o trânsito e facilitará a vida de 1,5 milhão de pessoas que moram em Taguatinga, Ceilândia e Samambaia”, afirmou. “E ela só saiu do papel graças a uma parceria entre o Governo Federal e o GDF”, informou.

      

A ministra também enumerou as ações relacionadas à moradia. Em São Sebastião, foram entregues mais de 1.200 casas para famílias de baixa renda. Já no Itapoã, estão sendo construídas mais de 12 mil unidades habitacionais com recursos federais. “O sonho da casa própria está se tornando realidade para milhares de famílias brasilienses e isso tudo precisa ser comemorado”, disse Flávia.

Na área da saúde, foram repassados mais de R$ 2 bilhões para o combate à pandemia. Além disso, o Auxílio Emergencial atendeu diretamente 482 mil famílias no DF. Segundo a ministra, que ajudou a aprovar a medida no Congresso quando ainda estava no mandato de deputada federal, não faltaram recursos durante o período mais difícil no combate à covid-19.

Ainda sobre a pandemia, Flávia mencionou os números da vacinação no DF. O Ministério da Saúde já distribuiu 4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 ao povo brasiliense. Desse montante, 3,5 milhões já foram aplicadas. “A vacinação sempre foi o caminho mais curto para sairmos desse cenário avassalador”, defendeu. “Com ela, a economia voltará a girar e o Brasil voltará a crescer e a gerar emprego e renda”, concluiu.