Notícias

DIAGNÓSTICO PRECOCE

‘Linha Azul’: Ministério da Saúde lança linha de cuidados do homem no ‘Novembro Azul’

Iniciativa tem como objetivo fortalecer a atenção à saúde do homem e sensibilizar o público sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento do câncer de próstata
Publicado em 17/11/2021 14h46 Atualizado em 17/11/2021 14h51
Design sem nome (2).png

- Foto: Walterson Rosa

Dados apontam que o risco de um homem ter câncer de próstata diagnosticado durante toda a vida é de 16%. Diante disso, o Ministério da Saúde lançou, nesta quarta-feira (17), a “Linha Azul”, uma linha de cuidados dedicada a atenção à saúde do homem. A iniciativa é implementada no Sistema Único de Saúde (SUS) no mês em que se celebra o “Novembro Azul”, mobilização internacional para sensibilizar homens sobre os cuidados com a própria saúde e a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Com a proposta de ampliar as políticas públicas voltadas para o controle e combate ao câncer de próstata, a “Linha Azul” traça um itinerário terapêutico para homens que apresentam sinais e alterações na próstata. A ideia é que o paciente tenha um caminho a percorrer no sistema de saúde, desde a Unidade Básica de Saúde ao tratamento especializado. Isso porque as chances de cura aumentam 90% se o diagnóstico for feito no estágio inicial, segundo o chefe do Setor de Urologia do Instituto Nacional do Câncer (INCA), Franz Campos.

A Pasta atualiza ainda a tabela de pagamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) para procedimentos de biópsia de próstata, medida que pode aumentar para R$ 7,3 milhões o investimento em diagnóstico precoce do câncer: serão mais R$ 4,3 milhões.

Um levantamento realizado pelo INCA estimou que entre os anos de 2020 e 2022, mais de 65,8 mil novos casos de câncer podem ser diagnosticados por ano. O número corresponde 29,2% dos tumores que acometem a população do sexo masculino, ou seja, é o tipo de câncer mais frequente entre os homens, depois do câncer de pele. Em média, o Brasil identifica 62,95 novos casos a cada 100 mil homens. O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais frequente nesse público em todo o mundo e 75% dos casos ocorrem em homens acima de 65 anos.

Durante a cerimônia de lançamento da linha de cuidados, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou que o Brasil possui uma das maiores políticas do mundo relacionada ao enfrentamento ao câncer de próstata. “São mais de 300 centros que cuidam do câncer no Brasil. São unidades de alta complexidade e os centros de alta complexidade oncológica. O Governo Federal, através do programa PERSUS, aumentou o acesso dos brasileiros a radioterapia. Só no governo do Jair Bolsonaro, foram instituídos 38 aceleradores lineares. Isso é, três vezes mais do que foi feito no âmbito do programa PERSUS. Isso mostra o nosso compromisso. Nós temos trabalhado para incluir novas tecnologias, que são importantes, seja para o diagnóstico, seja para o tratamento”, ressaltou.

No evento, não faltaram exemplos da importância da detecção precoce da doença. Edmundo Lane Oliveira, de 52 anos, contou que foi diagnostico aos 43, no estágio inicial. Ele fez todo o tratamento no SUS e está curado. “Não precisa ter medo do exame de toque. São apenas 10 segundos. Segundos que podem salvar uma vida”.

A representante da Opas no Brasil, Socorro Gross, trouxe um exemplo de sua família. Seu pai, hoje com 99 anos, foi diagnosticado com câncer de próstata por volta dos 60 anos. “O homem tem um papel na história que muitas vezes o deixa desligado dos aspectos da saúde”. Socorro acrescentou que o Brasil é exemplo para as Américas nas campanhas de saúde.

Segundo o Atlas de Mortalidade por Câncer, divulgado pelo Inca em 2021, mais de 15,9 mil óbitos por câncer de próstata foram notificados no ano de 2019. O número representa 13,1% de todos os casos de óbitos por câncer em homens. Vale lembrar que o SUS oferece tratamento de câncer de próstata em hospitais habilitados em oncologia, incluindo exames clínicos, procedimentos cirúrgicos e tratamentos, como prevê a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer (PNPCC).

Para diagnóstico do câncer, são 5,7 milhões de exames por ano feitos pelo SUS, com investimento médio anual de R$ 102 milhões. Dentre eles estão: biopsia de próstata, ultrassonografia de próstata por via abdominal, ultrassonografia de próstata (via transretal) e a dosagem de antígeno prostático especifico. Entre os exames para diagnóstico estão ainda exames clínicos, laboratoriais, endoscópios ou radiológicos.

Atualmente, o Brasil conta com 314 serviços habilitados em oncologia espalhados pelo Brasil. Em média, são cerca de 685 mil procedimentos para tratamentos de câncer de próstata por ano, com investimento anual de R$ 360 milhões. O tratamento depende da localização da doença, podendo ser indicado cirurgia, quimioterapia ou radioterapia, além de procedimento cirúrgico combinado com tratamento hormonal.

O Câncer de Próstata
O câncer de próstata é o tumor que afeta a próstata, glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis. Embora seja uma doença comum, por medo ou desconhecimento, muitos homens preferem não conversar sobre o assunto. Dentre os principais procedimentos para diagnóstico estão o exame de toque retal, em que médico avalia o tamanho, a forma e a textura da próstata; e o exame de PSA, que verifica no sangue a quantidade de uma proteína chamada de Antígeno Prostático Especifico (PSA), produzida pela próstata.

Na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são: dificuldade de urinar; demora em começar e terminar de urinar; sangue na urina; diminuição do jato de urina; necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Dentre os principais fatores que podem aumentar o risco de os homens terem câncer de próstata estão: história de câncer na família, pai ou mãe antes dos 60 anos; fatores genéticos; estilo de vida. Por isso, alimentação saudável, manter o peso corporal adequado, praticar atividade física, não fumar e evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas estão entre as principais ações para prevenção desse tipo de câncer.

O “Novembro Azul”
A iniciativa internacional “Novembro Azul” teve origem na Austrália no ano de 2003 e foi comemorado no Brasil pela primeira vez em 2008. O Novembro Azul tem como objetivo sensibilizar e conscientizar a população masculina em relação aos cuidados com a saúde e a importância da realização dos exames de prevenção contra o câncer de próstata. O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata é comemorado no dia 17 de novembro.

 

Fernando Brito e Nathan Victor
Ministério da Saúde

Saúde e Vigilância Sanitária