Notícias

Mobilidade

Avançar Cidades financia 27 projetos e investe R$ 259 milhões

Projetos em pequenas e médias cidades foram selecionados nos últimos sete meses
publicado 08/08/2019 22h25, última modificação 09/08/2019 21h13
Avançar Cidades financia 27 projetos e investe 259 milhões de reais

Foto: Prefeitura de Ceres/GO

O programa Avançar Cidades financia obras e melhora a mobilidade urbana em cidades brasileiras. Nos últimos sete meses, 27 projetos foram financiados com investimento de R$ 259 milhões do governo federal por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional ( MDR). Esses empreendimentos estão distribuídos por 25 municípios de 10 estados.

O município de Bom Jesus, no Piauí, é um exemplo. Na cidade mais de R$ 14 milhões estão sendo investidos na melhoria de vias urbanas. A qualificação viária também está em execução no município de Ceres, em Goiás, com investimento que supera R$ 12 milhões.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, afirmou que uma das principais diretrizes do programa Avançar Cidades é melhorar as vias urbanas, garantindo a segurança e melhorando o transporte público coletivo de passageiros.

“A gente acredita que com isso, realmente, leve qualidade de vida pra população desses municípios, mas também que permita que aquelas pessoas que moram mais afastadas ou que têm alguma dificuldade no trânsito possam ter maior tempo pra sua família, pro seu lazer, sem que isso impacte o tempo do seu trabalho”, disse o ministro.

Seleção de projetos

O primeiro passo é a apresentação pelo município de uma carta-consulta com o projeto básico a uma instituição financeira. Depois das análises de risco e engenharia serem feitas, a instituição financeira encaminha o projeto ao ministério do Desenvolvimento Regional, que é o responsável pela seleção final das obras. Depois da seleção final pelo MDR, os municípios têm até um ano para formalizar a contratação da proposta junto a um agente financeiro.

Para pleitear e receber os financiamentos uma condição básica é os municípios estarem com as contas em dia, sem dívidas, para ter espaço para o financiamento.

Os recursos vêm do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, FGTS. Os contratos têm taxas médias de juros de 6% ao ano e a carência para começar o pagamento é de até 48 meses. O tempo máximo para o financiamento ser quitado é de 20 anos.