Notícias

Verde Brasil

Sobrevoo na Região Amazônica evidencia redução em focos de incêndio

“Do mês de agosto para o mês de setembro, tivemos redução de 15% do número de queimadas na Amazônia Legal”, informou ministro da Defesa
Publicado em 03/10/2019 20h42
Sobrevoo na Região Amazônica evidencia redução em focos de incêndio

Ministro Fernando Azevedo sobrevoou a Região Amazônica acompanhado de agentes de órgãos governamentais Foto: Ministério da Defesa

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, sobrevoou, nesta quinta-feira (03), a Região Amazônica. Em conjunto com integrantes do Ibama, do ICMBio, da Polícia Federal e do Ministério das Relações Exteriores, o ministro também visitou 53º Batalhão de Infantaria de Selva, em Itaituba (PA), e o 22º Batalhão de Infantaria, em Palmas (TO), ambos engajados nos esforços da Operação Verde Brasil.

“Do mês de agosto para o mês de setembro, tivemos redução de 15% do número de queimadas na Amazônia Legal”, comemorou Azevedo. Historicamente, por ser um mês mais seco naquela região, setembro costuma registrar mais focos de incêndios do que agosto. “Essa inversão é claramente resultado dos esforços da GLO”, completou.

A previsão é que a atuação militar, com a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) Ambiental  na Amazônia Legal permaneça até 24 de outubro.

Para o ministro, além do trabalho de combate do fogo propriamente dito, foram muito importantes as ações cívico-sociais ambientais, ou seja, campanhas educativas ambientais oferecidas nas escolas e para as populações ribeirinhas. “Os bons resultados também são frutos do convencimento da população local, após um trabalho de conscientização feito pelos diferentes órgãos que compõem a Operação Verde Brasil”, explicou.

Cooperação interagências

Azevedo enalteceu o trabalho de cooperação entre as diversas agências e órgãos que participam do Comando de Operações Conjuntas da Operação Verde Brasil. “É um esforço inédito que o governo federal fez de implantar essa GLO conjunta”, exaltou. O ministro reconheceu que a maior dificuldade encontrada pela operação conjunta é o tamanho da área operacional. “A área de operações é maior do que a Europa Ocidental”, comparou. “Mas as Forças Armadas têm uma capilaridade muito grande na Amazônia e, com a cooperação entre todas as agências envolvidas, vamos cumprir a missão de combater as queimadas e os crimes ambientais”, garantiu. 

Fonte: Ministério da Defesa