Notícias

Verde Brasil

Ministro da Casa Civil solicitará ao presidente prorrogação da GLO Ambiental na Amazônia

publicado: 03/09/2019 17h18, última modificação: 03/09/2019 18h38
Proposta saiu da reunião de ministros com governadores da região
GLO Ambiental para região da Amazônia pode ter prazo prorrogado

Foto: Alexandre Manfrim/MD

Uma proposta resultante das reuniões ocorridas nessa segunda-feira (2) e nesta terça-feira (3) entre ministros de Estado e governadores das regiões da Amazônia Oriental e Ocidental é prorrogar a vigência da medida de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) Ambiental. A GLO Ambiental tem validade até o dia 24 de setembro e seria estendida por mais um mês.

A GLO Ambiental reúne Forças Armadas, agências federais e efetivos estaduais no combate a focos de incêndio na Amazônia Legal. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, explicou que a prorrogação permitiria ampliar o trabalho desenvolvido e atacar também as causas dos incêndios. O ministro deu a declaração em Manaus (AM), ao fazer um balanço dos dois dias de reunião com os governadores.

“Uma das propostas que vamos levar da reunião com os nove governadores é que a GLO não se encerre no dia 24 de setembro, que ela continue seu trabalho por pelo menos mais um mês, porque fizemos o primeiro enfrentamento pontual nas áreas onde tivemos incêndios, mas é muito importante que se combata muito das causas desses incêndios que estão ligados à questão do desmatamento ilegal, do garimpo ilegal”, disse.

A primeira reunião ocorreu nessa segunda-feira (2), em Belém (PA), com a participação de governadores da Amazônia Oriental (Pará, Maranhão, Amapá, Tocantins e Mato Grosso) e ministros. Nesta terça-feira foi a vez do encontro entre os governadores da Amazônia Ocidental (Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima), em Manaus (AM).

O objetivo dos encontros foi colher sugestões e propostas para a criação de um plano de ações conjuntas que envolvem o monitoramento e combate a desmatamentos e queimadas, questões fundiárias, proteção ao meio ambiente, Fundo Amazônia, incentivo à preservação e também punição a crimes ambientais.

De acordo com o ministro Onyx Lorenzoni, a intenção é que no prazo de 10 dias seja possível fazer uma nova reunião e apresentar um plano que permita equilibrar a preservação ambiental e a produção na região da Amazônia. “Fazendo com que a gente preserve esse grande patrimônio que o Brasil tem, mas, por outro lado, os 23 milhões de homens e mulheres da Amazônia possam ter boas condições de vida e capacidade de se desenvolver produtivamente”, explicou.

Fundo da Amazônia

O governador do Amazonas, Wilson Lima, relatou que ouviu do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, a sinalização de haver um entendimento avançado entre o governo federal e os governos da Noruega e da Alemanha para a retomada dos recursos do Fundo Amazônia com um modelo de administração diferente. “Um modelo onde o governo federal e os governos dos estados da Amazônia tenham um poder decisório maior e esses investimentos possam efetivamente ser casados com as políticas públicas”, disse.

O Fundo Amazônia tem a finalidade de captar doações não reembolsáveis para ações de prevenção, conservação, monitoramento e combate ao desmatamento e o uso sustentável da Amazônia Legal.

Além de Onyx Lorenzoni, participaram das reuniões em Belém e Manaus os ministros da Defesa, Fernando Azevedo; e do Meio Ambiente, Ricardo Salles.