Notícias

Defesa

Aeronave Gripen é apresentada na Suécia

Modelo F-39 será usado na defesa do espaço aéreo brasileiro
Publicado em 10/09/2019 20h23 Atualizado em 10/09/2019 20h28
Aeronave Gripen é apresentada na Suécia

Imagem teste de voo / crédito SAAB

Foi apresentado nesta terça-feira (10), em Linköping, na Suécia, o primeiro modelo brasileiro do caça Gripen E, que recebeu a designação de F-39 pela Força Aérea Brasileira.

A cerimônia contou com a presença de autoridades dos dois países, como o ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, e o comandante da Força Aérea Brasileira, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez. Do lado sueco, participaram Peter Hultqvist, Ministro da Defesa da Suécia, Mats Helgesson, Comandante da Força Aérea Sueca, e Håkan Buskhe, Presidente e CEO da Saab.

A parceria com a sueca Saab teve início em 2014 com o contrato para o desenvolvimento e produção de 36 caças Gripen E/F para a Força Aérea Brasileira, incluindo sistemas relacionados, suporte e equipamentos. O contrato começou a ser operacionalizado em 2014 e tem um custo de 39,6 bilhões de coroas suecas, o que equivale a cerca de R$ 16,8 bilhões de reais.

As aeronaves brasileiras Gripen E/F são desenvolvidas e produzidas com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros. A partir de agora, a aeronave passa por uma fase de testes na Suécia, e até o final de 2020, irá para o Brasil para dar continuidade à campanha de testes. De acordo com o Ministério da Defesa, a partir de 2021, a montagem completa de 15 aeronaves começará no Brasil.

Segundo o ministro Fernando Azevedo e Silva, a aeronave será utilizada na defesa do espaço aéreo brasileiro. “Esse projeto do Gripen é muito importante, vai suprir uma necessidade premente nossa que é a vigilância de 22 milhões de quilômetros quadrados, pelos quais a Força Aérea é responsável. É uma aeronave de ponta, um projeto muito bem-sucedido”, destacou.

Gripen

 

O Gripen é um modelo supersônico monomotor projetado para missões ar-ar, ar-mar e ar-solo, em todas as condições meteorológicas. A aeronave é desenvolvida na Suécia, com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros, e o contrato prevê a transferência de tecnologia para o Brasil, capacitando a indústria nacional.

O caça multimissão atinge duas vezes a velocidade do som e nove vezes a força da gravidade, quando em manobra. Além disso, conta com radares de última geração, sistemas embarcados e capacidade para empregar armamentos de fabricação nacional.

O novo jato da FAB deverá ser usado no controle do espaço aéreo, ataque e reconhecimento, já que tem um raio de ação de até mil quilômetros e é capaz de carregar mais de 7.2 toneladas de mísseis e bombas. De acordo com o ministro da Defesa, o Gripen será a espinha dorsal da aviação no Brasil.

“À medida que se fizer essa entrega, estamos com um planejamento para que a frota aumente, atendendo ao estado brasileiro, pra que ele possa efetivamente servir pro que veio, a defesa do espaço aéreo e soberania nacional”, concluiu.

Dotado de sistema de reabastecimento em voo, o Gripen será capaz ainda de defender o espaço aéreo em pontos remotos, aumentando a capacidade operacional da FAB.

Teste

Atualmente, o Gripen é operado em cinco países: Suécia, África do Sul, República Tcheca, Hungria e Tailândia. Já o Reino Unido utiliza o Gripen para o treinamento de pilotos de teste.

*Com informações do Ministério da Defesa