Notícias

EXAME NACIONAL

Instituições federais são maioria com conceito máximo no Enade

publicado: 04/10/2019 18h17, última modificação: 04/10/2019 18h17
Dos estudantes avaliados, 46% recebem auxílio financeiro do Governo Federal
MCMGO_ABR_04101924424.JPG

Divulgação do resultado do Enade 2018 Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Em 2018, apenas 5,8% dos cursos superiores que participaram do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e tiveram o desempenho divulgado atingiram o conceito máximo. A maior parte dos cursos com nota máxima está nas instituições públicas federais (199).

Em seguida estão as instituições privadas sem fins lucrativos (123), privadas com fins lucrativos (117) e públicas estaduais (52). Um deles é ofertado por instituição pública municipal.

Os dados do Enade foram divulgados nesta sexta-feira (4) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O exame é aplicado aos estudantes no fim dos cursos de graduação para avaliar conhecimentos e habilidades. A cada três anos as provas são aplicadas a um grupo de cursos.

Em 2018, cerca de 462,2 mil estudantes de 8.821 cursos de 1.791 instituições de ensino participaram do Enade. Nem todos os cursos atenderam aos quesitos para o cálculo do Conceito Enade. Do total de estudantes participantes, 15% são de instituições públicas e 85% de privadas.

Dentre os que fizeram a prova do Enade, 46% recebem auxílio financeiro do governo federal por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa Universidade para Todos (ProUni).

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, destacou o equilíbrio na avaliação entre os cursos presenciais e à distância. Cerca de 6% dos cursos avaliados em cada uma das modalidades alcançou o conceito máximo no Enade.

“Entre as pessoas que fizeram o curso à distância e o presencial o resultado é praticamente o mesmo, mostrando que essa preocupação quanto à queda de qualidade no ensino à distância para as áreas do conhecimento que foram avaliadas a gente não percebe uma diferença significativa”, disse o ministro.

Menores notas

Cerca de 29% dos cursos avaliados ficaram com conceitos 1 e 2 no Enade, considerados abaixo da média. A maioria desses cursos é ofertada por instituições privadas com fins lucrativos (1.397), seguido por instituições privadas sem fins lucrativos (864), instituições públicas federais (76), por públicas estaduais (90), por públicas municipais (73) e por instituições especiais (9).

Cursos avaliados

Foram avaliadas 27 áreas de conhecimento. Nesta edição, alunos dos cursos de administração e direito representaram 48,5% do total de inscritos no Enade.

Considerando a nota média geral de cada carreira, o curso de tecnologia de secretariado executivo teve a pontuação mais alta, seguido do curso de bacharelado em jornalismo.

A estudante de Letras da Universidade Mackenzie, de São Paulo, Simone Freitas, contou que considera importante a avaliação do curso e que uma nota positiva pode ser uma porta de entrada para o estudante no mercado de trabalho. “Por mais que não seja uma avaliação dos alunos, é uma avaliação do curso, isso faz com que nosso curso seja valorizado no mercado de trabalho, e isso é importante pra gente que vai daqui a pouco tentar entrar no mercado”, disse.

Estudante Simone Freitas do curso de Letras da Universidade Mackenzie em São Paulo Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil  Mateus da Costa, estudante de Letras da Universidade Mackenzie em São Paulo Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Para Matheus da Costa, que também cursa letras na Mackenzie, o Enade orienta o estudante na hora de decidir em que instituição ingressar. “A prova precisa que aquele curso realmente é bom e o aluno ingressante na universidade vai estar ciente do que está o esperando”, afirmou.

Desempenho dos estudantes

Atualmente, os estudantes que fazem a prova do Enade têm acesso ao boletim com as notas individuais e gerais do curso. Os dados estão disponíveis pelo Sistema Enade e são acessados com a senha do estudante.

O presidente do Inep, Alexandre Ribeiro Lopes, disse que o instituto estuda mudar o edital do Enade para o próximo ano e divulgar os nomes dos estudantes que tiveram bom desempenho no exame. Seria tornado público apenas o nome de quem acertar mais de 60% das questões da prova. Não seria divulgada a nota individual, mas a faixa de acerto do estudante.

“Isso seria uma forma de incentivo para que o aluno busque ficar entre os melhores para colocar isso no currículo e competir por uma vaga de emprego”, comentou Alexandre Ribeiro Lopes.