Brasil Mais Produtivo

Atualizado em: 26/06/2020.

 

O Programa Brasil Mais é uma política pública que visa aprimorar as capacidades gerenciais e digitais das empresas brasileiras, promovendo melhorias rápidas a baixo custo para os empresários e que garantam resultados consistentes no aumento da produtividade e da competitividade. O programa oferece soluções para melhorar a gestão, implementar processos inovadores e reduzir desperdícios em micro, pequenas e médias empresas dos setores de indústria, comércio e serviços.

O Brasil Mais trabalha com uma lógica de camadas, que aumenta a complexidade dos serviços oferecidos à medida que a empresa evolui. A primeira fase tem foco na otimização de processos gerenciais e produtivos (gestão da produção, finanças, operações, marketing, vendas, entre outros). A segunda fase será focada na transformação digital das empresas, com a oferta de metodologias e ferramentas para auxiliar na adoção de tecnologias digitais mais adequadas à realidade de cada firma. Por fim, a terceira camada será voltada à inserção da empresa no universo da Economia 4.0, com suporte na aplicação de tecnologias mais avançadas relacionadas à quarta revolução industrial. Esta etapa irá absorver os aprendizados do piloto iniciado em 2019 pelo Ministério em parceria com o Fórum Econômico Mundial e o IPT.

O Brasil Mais é coordenado pela SEPEC/ME, contando com o apoio de gestão e operação da ABDI, e SENAI e SEBRAE como parceiros-executores dos atendimentos às empresas. A meta do programa é alcançar 200 mil empresas até 2022. No momento, os atendimentos estão suspensos em função da pandemia da COVID-19, mas o Ministério e seus parceiros estão planejando a retomada das atividades do programa de forma segura para as equipes e as empresas atendidas assim que possível, com provável ajuste nas metodologias e fortalecimento das atividades online oferecidas pelo programa em função das restrições sanitárias necessárias para enfrentamento da pandemia.

Acesse o decreto que instituiu o programa: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-n-10.246-de-18-de-fevereiro-de-2020-244044484

Acesse o Portal do Programa Brasil Mais: https://brasilmais.economia.gov.br/

 

Histórico do programa

O Programa Brasil Mais Produtivo (B+P) é uma iniciativa do governo federal que visa aumentar a produtividade em processos produtivos de empresas industriais, com a promoção de melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto. O Programa é coordenado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - MDIC e realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - Senai, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - Apex-Brasil, com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae e apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES.

Na sua primeira fase, o atendimento completo tem duração de 120 horas e o investimento por empresa é de R$ 18 mil (R$ 15 mil, por empresa, e cada uma delas entra com uma contrapartida de apenas R$ 3 mil, que poderá ser paga com o “Cartão BNDES”). Nesse primeiro momento, os setores elegíveis, em função de sua maior aderência à ferramenta de manufatura enxuta, foram: metalmecânico, vestuário e calçados, moveleiro e de alimentos e bebidas.

O conceito de produtividade na indústria está diretamente associado ao processo produtivo. As falhas, quando corrigidas a tempo, evitam prejuízos. Com o objetivo de aumentar em pelo menos 20% a produtividade das pequenas e médias indústrias participantes, consultores do SENAI foram treinados para aplicação das ferramentas de manufatura enxuta, focada no processo produtivo, que prevê intervenções rápidas, de baixo custo. O aumento da produtividade da indústria é obtido por meio da redução dos sete tipos de desperdícios mais comuns: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, inventário, movimento e defeitos. Aspectos que merecem destaque nesta iniciativa são a excelente relação custo-benefício e a possibilidade concreta de aferição de resultados.

Estão aptas a participar do programa indústrias manufatureiras de pequeno e médio portes, que tenham entre 11 e 200 empregados e, preferencialmente, estejam inseridas em Arranjos Produtivos Locais (APLs), aproveitando assim a capilaridade, a sinergia e os ganhos de competitividade e de escala que os APLs já dão às empresas para aumentar o resultado esperado setorial e localmente.

As 3 mil vagas dessa fase já estão esgotadas, com 2.832 atendimentos concluídos acumulados até julho de 2018, e o restante das empresas já estão em processo de atendimento.