Relações Internacionais

Publicado em 24/08/2021 18h24

ATUAÇÃO INTERNACIONAL

No âmbito internacional, o Ibram desenvolve ações para fortalecer o intercâmbio cultural com países e organizações internacionais atuantes no campo da cultura e dos museus. As atividades internacionais buscam, prioritariamente, contribuir ao aprimoramento das políticas públicas nacionais, à qualificação dos profissionais brasileiros, ao compartilhamento de boas práticas e experiências exitosas e à consolidação da presença brasileira em espaços relevantes de debate de temas culturais.

É possível classificar a atuação internacional do Ibram em três áreas distintas:

  • a cooperação técnica internacional, baseada no intercâmbio de profissionais e de boas práticas relacionadas a museus e à Museologia;
  • a representação do Brasil em eventos e fóruns internacionais referentes ao setor de museus; e
  • a promoção da cultura brasileira no exterior.

A presença do Ibram nestas três frentes permite ao Brasil compartilhar seus avanços em política museológica, aprender com as experiências de outros países, e fortalecer a posição do Brasil como um dos países protagonistas no diálogo internacional sobre museus. Não é incomum que algumas atividades internacionais desenvolvidas pelo Ibram possam ser classificadas em mais de uma, ou em todas estas áreas de atuação.

Cooperação Técnica

As ações de cooperação técnica internacional compreendem o intercâmbio de conhecimentos com foco no aprimoramento das políticas públicas desenvolvidas no Brasil e nos parceiros no exterior. Podem ser realizadas tanto de forma bilateral, entre Ibram e instituições museais de outro país, quanto em espaços multilaterais, que geralmente compreendem blocos de países ou organismos internacionais. Nos últimos dois anos, o Ibram realizou atividades com os seguintes parceiros:

Museu Nacional de Arqueologia (Bolívia)

No âmbito do Convênio Básico de Cooperação Técnica entre Brasil e Bolívia, foi firmado em 2017 um projeto de cooperação técnica entre ambos países intitulado “Fortalecimento do Museu Nacional de Antropologia da Bolívia, para uma política museológica inclusiva e participativa do Estado Plurinacional da Bolívia”. O projeto conta com a coordenação da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e do Vice-Ministério de Investimento Público e Financiamento Externo da Bolívia, e suas atividades são executadas por técnicos do Ibram e do Museu Nacional de Antropologia (Munarq), em La Paz.

Os objetivos desta cooperação são compartilhar com a Bolívia alguns instrumentos da política museológica brasileira, referentes à produção de planos museológicos, a ações de segurança preventiva e a educação em museus. O projeto foi iniciado com uma conferência, para funcionários do Munarq e demais museus bolivianos convidados, referente à evolução da política museológica no Brasil. Na sequência, três atividades de formação foram realizadas, sobre plano museológico, planos de segurança preventiva e programas educativos. Esta iniciativa permitiu ao Ibram aprimorar uma metodologia de atuação em atividades de cooperação internacional, além de ser um espaço piloto de utilização da plataforma Saber Museu para atividades de formação e capacitação à distância em âmbito internacional.

Agência de Patrimônio Cultural (Holanda)

Em 2017, com base em tratativas anteriores e no desejo comum de avançar na cooperação e intercâmbios bilaterais, o Ibram firmou um memorando de entendimento com a Agência de Patrimônio Cultural da Holanda (RCE), agência ligada ao Ministério de Educação, Cultura e Ciência daquele país.

O objetivo do projeto é a capacitação profissional e o intercâmbio de conhecimentos entre museus dos dois países. E suas áreas de prioritárias de cooperação são: coleções, patrimônio cultural, gestão de riscos, preservação e conservação, controle climático e sustentabilidade de instituições museais, considerando os âmbitos cultural, econômico, social e ambiental.

A primeira atividade acordada no âmbito desta cooperação é uma missão de estudos de profissionais do Ibram à Holanda, em dezembro de 2018, a fim de conhecer boas práticas de museus holandeses em sustentabilidade. Esta atividade é realizada com o apoio do DutchCulture, instituição holandesa responsável pela cooperação cultural internacional. As informações colhidas na Holanda poderão subsidiar futuras atividades de cooperação entre museus brasileiros e holandeses.

Escola do Louvre (França)

Em 2017, o Ibram concluiu uma atividade piloto de cooperação acadêmica e profissional com a Escola do Louvre, instituição de ensino superior francesa, fundada em 1882, com foco nos campos da história da arte e da museologia. Num período de três anos (2013-14, 2015-16, e 2016-17) o Ibram selecionou anualmente três estudantes brasileiros, em nível de mestrado ou doutorado, para participar do Seminário Internacional de Verão de Museologia oferecido pela Escola do Louvre, com duração de duas semanas, e conjunta participação em estágios em museus franceses, num período total de permanência na França não superior a três meses. Igualmente, a Escola do Louvre selecionou três estudantes franceses anualmente para estágios em museus brasileiros.

Ainda, a cada ano, ambas instituições enviavam à outra um profissional para a realização de um curso breve, com duração de uma semana, sobre temas de interesse no campo da Museologia. Os cursos de profissionais brasileiros eram realizados na Escola do Louvre, em Paris, enquanto os cursos de acadêmicos franceses no Brasil, com a parceria de universidades, foram realizados em três cidades brasileiras: Rio de Janeiro (com a UNIRIO), Salvador (com a UFBA) e Brasília (com a UnB).

Embaixada dos Estados Unidos da América (EUA)

A convite da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, o Ibram participou de missão de estudos aos Estados Unidos, no âmbito do International Visitor Leadership Program, programa do Departamento de Estado que busca favorecer os intercâmbios entre profissionais e o fortalecimento das relações entre EUA e demais países.

A missão, realizada de 16 de setembro a 07 de outubro de 2017, compreendeu visitas técnicas a instituições culturais e museus em cinco cidades americanas (Washington, D.C., Chicago, Seattle, Phoenix e Miami), e contou com oito participantes, das seguintes instituições: Fundação Gilberto Freyre (PE); Instituto Brasileiro de Museus (DF); Instituto Inhotim (MG); Secretaria de Cultura do Estado do Espírito Santo (ES); Museu Paço do Frevo (PE); Museu de Congonhas (MG); Museu das Culturas Dom Bosco (MS) e Universidade de São Paulo (SP).

Os representantes brasileiros destacaram da experiência interessantes iniciativas vistas nos Estados Unidos em relação aos seguintes temas: engajamento de públicos, e das comunidades nas quais os museus estão inseridos; e sustentabilidade financeira dos museus. Com base neste intercâmbio, produziram um conjunto de sugestões de futuras atividades de cooperação com instituições norte-americanas.

Representação em eventos e fóruns internacionais

A participação do Ibram em espaços relevantes de debate sobre temas museais fortalece a imagem do Brasil junto aos parceiros internacionais e contribui ao desenvolvimento da Museologia e das políticas públicas para museus no Brasil, que ganham com o maior intercâmbio de ideias e boas práticas. Hoje, o Brasil é um ator de destaque por ter sido protagonista no desenvolvimento de inciativas bem-sucedidas. Entre as atividades desempenhadas no âmbito multilateral, estão:

                Ibermuseus

O Brasil é um dos fundadores do Programa Ibermuseus, que congrega 22 países ibero-americanos para o desenvolvimento de políticas públicas para museus. O Ibram foi o primeiro presidente do Programa, de 2009 a 2015, é membro do seu Conselho Intergovernamental, que reúne os 10 países responsáveis pela tomada de decisões do programa, e coordena uma das suas linhas de ação, dedicada à pesquisa sobre sustentabilidade nas instituições museais ibero-americanas.

A cooperação ibero-americana conferiu projeção internacional à Política Nacional de Museus e à organização institucional do Brasil, que é uma referência na região. Ainda, diversos museus e profissionais brasileiros puderam se beneficiar da participação em seminários e cursos promovidos pelo Ibermuseus, foram contemplados pelos prêmios entregues pelo programa, com especial destaque ao Prêmio Ibermuseus de Educação, ou receberam bolsas de capacitação para participar de atividades internacionais. A Unidade Técnica do Programa Ibermuseus também está sediada em Brasília, nas dependências do Ibram.

É importante ressaltar que o Programa Ibermuseus permitiu ao Brasil e aos demais países da região estabelecer uma plataforma de diálogo frutífero com outros organismos internacionais, como a UNESCO.

UNESCO

Em sua atuação frente à UNESCO, o Ibram propôs e foi um dos principais defensores da criação de um instrumento normativo internacional que definisse um conjunto de diretrizes a serem perseguidas pelos museus de todo o mundo. Os esforços iniciados pelo Brasil, ao qual se somaram o Programa Ibermuseus, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) e outros parceiros, resultaram na aprovação, em 2015, da Recomendação referente à proteção e promoção dos museus e coleções, sua diversidade e seu papel na sociedade. Este é o primeiro documento da UNESCO dedicado ao campo dos museus desde 1960.

A Recomendação é fruto de um trabalho iniciado pelo Ibram em 2011, junto ao Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Cultura, Programa Ibermuseus e UNESCO. O Brasil custeou a realização de uma reunião de especialistas da UNESCO no Rio de Janeiro, em 2012, e estudos preliminares de viabilidade da nova recomendação, de acordo com o protocolo da UNESCO para o estabelecimento deste tipo de instrumento. Com o apoio dos parceiros nacionais e internacionais, destacando-se a articulação de países latino-americanos, africanos e árabes no seio da UNESCO, foi possível aprovar o documento, que agora estabelece padrões mundiais de atuação dos museus no mundo contemporâneo. Em abril de 2019, a UNESCO deverá realizar reunião para consolidar a primeira pesquisa sobre a implementação da Recomendação entre seus países membros.

Mercosul-Unasul

No âmbito do Mercosul Cultural, o Ibram propôs, em 2012, uma iniciativa de concertação técnica e política para o campo dos museus. Esta proposta se materializou na criação do Comitê Técnico de Museus, instância que reúne os representantes governamentais do campo dos museus e que se reporta à Comissão de Patrimônio Cultural (CPC) do Mercosul. O Comitê Técnico debate ações de interesse dos países do Mercosul, reunindo-se virtualmente a cada Presidência Pro Tempore.

O Ibram também representa o Brasil no Comitê Técnico de Combate ao Tráfico Ilícito de Bens Culturais, uma iniciativa chamada inicialmente de “reunião interplataformas”, por reunir países do Mercosul e da Unasul. A fim de não duplicar esforços, este Comitê Técnico define a atuação das duas instâncias com relação ao combate ao tráfico ilícito, e os países membros discutem temas de interesse comum e o intercâmbio de conhecimentos e boas práticas.

BRICS

Uma das mais recentes iniciativas multilaterais foi o estabelecimento de dois mecanismos de cooperação, denominados “Alianças” no âmbito dos BRICS. Durante a II Reunião de Ministros de Cultura dos BRICS, em julho de 2017, foi proposta a criação de uma Aliança BRICS de Museus e de uma Aliança BRICS de Museus de Arte e Galerias Nacionais. As instituições chinesas que propuseram a criação de ambas alianças se comprometeram, então, a realizar reuniões em 2018 para formalizar as duas instâncias.

A Aliança de Museus de Arte teve sua primeira reunião convocada pelo Museu Nacional de Arte da China, em Beijing, em abril de 2018, com o objetivo de debater com os demais representantes dos BRICS o maior intercâmbio de coleções, aprofundar o diálogo e a cooperação artística e promover atividades conjuntas.

A primeira reunião da Aliança BRICS de Museus, por sua vez, foi realizada em outubro de 2018, em Beijing, convocada pelo Museu Nacional da China, a fim de ampliar o entendimento mútuo entre os BRICS no campo dos museus e impulsionar os intercâmbios e a cooperação. Os representantes dos BRICS firmaram um estatuto, que define o funcionamento da Aliança de Museus, e acordaram realizar reuniões a cada dois anos, sendo a próxima na Rússia, em 2020.

Promoção da cultura brasileira no exterior

Pode-se dizer que todas as atividades internacionais desenvolvidas pelo Ibram, ao projetar a imagem dos profissionais brasileiros no exterior, contribuem conjuntamente com a promoção da cultura brasileira no exterior. No entanto, completando este rol de atividades, uma das iniciativas mais importantes para promover a cultura brasileira é a participação em exposições de arte realizadas no exterior, em geral com o empréstimo de importantes obras que integram seus acervos. Conforme a lei brasileira, as obras são acompanhadas por couriers, servidores do museu cedente, que viajam para garantir seu adequado manuseio, montagem e desmontagem nas exposições.

Em 2017 e 2018, os museus do Ibram emprestaram obras temporariamente para sete exposições internacionais, realizadas no Museu Reina Sofia (Madri, Espanha); no Palazzo Pamphili (Embaixada do Brasil em Roma, Itália); no Museu Thyssen-Bornemisza (Madri, Espanha); na Fundação Juan March (Madri, Espanha); no Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira, Portugal); no Museu Van der Heydt (Wuppertal, Alemanha); e na Coleção de Arte Nordrhein-Westphalen (Düsseldorf, Alemanha).

As atividades que listadas acima são apenas do período 2017-2018. Abaixo, o histórico anterior ao ano de 2017:

2016

Escola do Louvre

18.01.2016 – Edital
12.05.2016 – Lista de Inscrições consideradas para a 3ª fase do Intercâmbio Acadêmico

2015

Dinamarca

Seleção Pública – Bolsa de Intercâmbio em Museus Dinamarqueses

 

 

Escola do Louvre

 

 

2013

Escola do Louvre

 

 

Alguns contatos de instituições internacionais – acesse aqui