Notícias

AMAZÔNIA LEGAL

Universidade Federal de Rondônia expande pós-graduação

Oito novos programas são voltados à conservação e ao uso de recursos naturais e inovação
Publicado em 08/04/2021 11h53 Atualizado em 08/04/2021 11h54

A Universidade Federal de Rondônia (Unir) abriu novos programas de pós-graduação. São oito especializações stricto sensu nas áreas de conservação e uso de recursos naturais, e inovação para o desenvolvimento socioeconômico-ambiental e sustentável da região. A instituição, participante do Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação (PDPG) na Amazônia Legal, criou projetos que envolvem três linhas de pesquisa.

O primeiro trata do desenvolvimento socioeconômico-ambiental, território e sustentabilidade no sul da Amazônia. Nele são oferecidos cursos de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente e Geografia. Ambos conferem títulos de doutor e mestre. Além disso, há também o mestrado em Administração.

A saúde única nas áreas de igarapés urbanos e periurbanos de Porto Velho, a partir da estruturação de uma rede de pesquisas integrada de saúde animal, ambiental e humana é tema da segunda linha oferecida. Nesta proposta serão consolidados os cursos de Biologia Experimental, Biodiversidade e Biotecnologia, todos com mestrado e doutorado. Neste grupo está ainda o mestrado em Conservação e Uso de Recursos Naturais.

O último, denominado Sistemas Integrados de Produção e Bioeconomia da Biodiversidade Amazônica, propõe a inovação para o desenvolvimento sustentável. Aqui há o envolvimento de dois programas: um em Agroecossistema Amazônico e outro em Ciências Ambientais, ambos mestrados.

As propostas, além de serem estratégicas para a formação de pessoal qualificado, visam a fixação de doutores para o desenvolvimento de pesquisas na região amazônica. “Todas passam pelo viés ambiental. Elas são de extrema importância para a atender às especificidades da região”, pontua Maria Madalena de Aguiar Cavalcante, diretora de Pós-Graduação da Unir. Ela explica que os editais são muito importantes para a produção acadêmica, por meio do compartilhamento dos resultados dos projetos. “A ação é de extrema contribuição não apenas para a Amazônia, mas para a ciência brasileira”, finaliza.

PDPG Amazônia Legal
PDPG na Amazônia Legal vai incentivar o desenvolvimento dos programas de pós-graduação em áreas estratégicas na região da Amazônia Legal. Serão oferecidas 488 bolsas: 130 para mestrado, 90 para doutorado e 268 para pós-doutorado. O investimento em cada projeto será de R$627,2 mil, dos quais R$200 mil são destinados ao custeio. A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro e engloba nove estados: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

A seleção considerou como áreas estratégicas: Biotecnologia, Biodiversidade, Conservação e Recuperação Ambiental, Saúde Pública, Doenças Tropicais e Tecnologias para o Trabalho em Saúde, Combate e Prevenção Voltados ao Enfrentamento de Epidemias, Engenharias, Tecnologia de Informação e Comunicação, Clima, Energia e Recursos Hídricos, Produção Animal e Vegetal Sustentável, e Diversidade Sociocultural, Sustentabilidade e Atividades Socioeconômicas.

 

Assessoria de Comunicação Social do MEC com informações da CAPES