Notícias

Giovanna Machado se reúne com Ministro Marcos Pontes

Unidades de pesquisa do ministério tem sede na região Nordeste e trabalham em projetos ligados a áreas como biotecnologia, água, energias renováveis e nanotecnologia
Publicado em 15/07/2021 00h00 Atualizado em 19/07/2021 13h59
Site.jpg

Em visita a Brasília, nesta quinta-feira (15) as diretoras do Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (CETENE), Giovanna Machado, e do Instituto Nacional do Semiárido (INSA), Monica Tejo, apresentaram ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, e secretários da pasta o portfólio de projetos desenvolvidos pelas duas unidades de pesquisa subordinadas do ministério. Sediadas em Recife (PE) e Campina Grande (PB), as instituições atuam na região Nordeste e trabalham em projetos nas áreas de como biotecnologia, água, energias renováveis e nanotecnologia.

Durante a audiência, o ministro Pontes destacou a prioridade do MCTI em transformar o conhecimento científico em novos produtos, serviços e empregos. “Eu vejo várias tecnologias aqui que podem ser usadas pela indústria. Nós precisamos integrar esses projetos e pensar em projetos pilotos”, disse.

O ministro também levantou alternativas de uso das pesquisas apresentadas em programas de outros ministérios, como da Agricultura e do Desenvolvimento Regional. Uma das ferramentas para dar visibilidade aos projetos e facilitar o uso das tecnologias por outras instituições é a Rede de Escritórios de Projetos do MCTI, iniciativa da Secretaria de Estruturas Financeiras e Projetos (SEFIP). A meta do ministério é que todas as unidades vinculadas participem da rede.

A diretora do CETENE/MCTI, Giovanna Machado, explicou que o avanço dos projetos de pesquisa é essencial para gerar soluções para a sociedade.

“O CETENE atua em 3 áreas; nanotecnologia, biotecnologia e computação científica. São áreas estratégicas para o conhecimento e transbordamento. Nós desenvolvemos projetos de células fotovoltaicas, produção de hidrogênio e no desenvolvimento de óleos essenciais extraídos da caatinga, por exemplo. Por isso a importância do ministério para que isso possa ser entregue à sociedade para gerar riquezas e qualidade de vida aos brasileiros”.

Já a diretora do INSA/MCTI, Mônica Tejo, falou sobre a importância do portfólio de projetos para incentivar ações integradas.

O INSA tem 10 áreas de atuação, como ciência e tecnologia de alimentos, biodiversidade, desertificação, energia, gestão da informação e popularização da ciência, recursos hídricos, sistemas de produção animal e vegetal, solos e mineralogia e inovação. Tivemos hoje a apresentação do portfólio de projetos do INSA. São 37 projetos em que esperamos um alinhamento para seguir com ações mais integradas e de maior potencial”.

Conheça a atuação do CETENE em gov.br/cetene

Conheça a atuação do INSA em gov.br/insa

 

Texto (ASCOM/MCTI)