Notícias

INSTITUCIONAL

Evidências educacionais marcam os 84 anos do Inep

Instituto acumula instrumentos e informações que contribuem para aprimorar as políticas públicas de educação brasileiras desde a década de 1937
Publicado em 13/01/2021 15h09
Colaboradores: Ana Carla Sodré

Em 1997, o Inep tornou-se uma autarquia federal e passou a ser o órgão encarregado de avaliações, pesquisas e levantamentos estatísticos educacionais do Governo Federal. Crédito: Reprodução A cada ano, as iniciativas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) atingem um número maior de brasileiros. O trabalho dedicado às avaliações e exames, pesquisas estatísticas e indicadores, gestão do conhecimento e estudos educacionais completa 84 anos neste 13 de janeiro. As atividades do Inep perduram por décadas e são sinônimos de competência e resultados que contribuem para as políticas públicas de educação. 

“Participar da história do Inep é uma honra. Produzimos estudos, aplicamos exames e avaliações, temos um vasto conteúdo editorial e somos um grande produtor de dados educacionais. Isso tudo tem um grande impacto na vida de milhares de brasileiros. Estamos conscientes que ainda temos muito trabalho pela frente”, destacou Alexandre Lopes, presidente do Inep. 

O ano de 2020 ficará marcado nessa longa trajetória, afinal, trouxe novos desafios para o instituto: cumprir as ações previstas mesmo diante das questões impostas pela crise sanitária. Nesse período, o trabalho foi pautado sempre de forma a garantir a segurança dos seus servidores, colaboradores e dos cidadãos usuários de seus serviços. 

E 2021 será um ano de inovações. A primeira aplicação do Enem Digital, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro; o Censo Escolar e o Censo da Educação Superior com informações inéditas para identificar como as escolas e instituições de educação superior responderam aos desafios impostos pela pandemia no último ano letivo; e a implementação no Novo Saeb, uma ampliação e evolução do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), são algumas das novidades para este ano. 

Criação – A história do Inep, entretanto, sempre foi marcada por desafios e inovações. Quando foi criado pela Lei n.º 378, de 13 de janeiro de 1937, o Brasil passava por um processo de industrialização que demandava trabalhadores mais preparados. O Inep nasce com o objetivo de realizar estudos para identificar os problemas do ensino nacional e propor políticas públicas. A fundação do Inep ocorreu em um contexto de renovação do Estado brasileiro, quando foi criado o Ministério da Educação e Saúde. No plano mais amplo, o cenário foi marcado pelo movimento de reformas educacionais realizadas por educadores, e pela mobilização dessa classe, ao lado de outros atores sociais, em favor da educação pública. 

Novos tempos – Foi em 1972, que o Inep passou a ser chamado de Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Neste período, foi enquadrado como órgão de assessoramento da Presidência da República e desvinculado do MEC. As atividades técnicas foram retomadas com o lançamento de dois programas: o Programa Anísio Teixeira, voltado para estudos, levantamentos e pesquisas; e o Programa Lourenço Filho, que propôs um subsistema de documentação e informação educacional. A implantação desse subsistema iniciou um trabalho dentro das modernas técnicas de documentação, e homenageou dois dos grandes nomes que conduziram o Inep. 

Autarquia – Em 1997, o Inep tornou-se uma autarquia federal e passou a ser o órgão encarregado de avaliações, pesquisas e levantamentos estatísticos educacionais do Governo Federal. Essa atuação do Inep, no final dos anos 1990, retomou o ideário de Anísio Teixeira, inspirador de gerações de pesquisadores e educadores. Em homenagem ao ex-diretor, o Senado aprovou a inclusão do seu nome no instituto, que passou a ser designado Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 

Saiba mais sobre o Inep

Conheça as áreas de atuação do órgão

 

Assessoria de Comunicação Social do Inep

Educação e Pesquisa