Notícias

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional

RBSO traz artigo sobre prevalência de burnout em docentes

Estudo abrange professores da educação básica de escolas públicas de um município de médio porte de Minas Gerais
Publicado em 16/07/2021 17h53
RBSO_Twitter_professores.jpg

A Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (RBSO) apresenta o artigo “Prevalência e fatores associados à síndrome de burnout entre docentes da rede pública de ensino: estudo de base populacional”. O trabalho busca delinear a presença desse adoecimento entre professores da educação básica de escolas públicas de um município de médio porte – Montes Claros (MG).

Segundo os autores, a “síndrome de burnout (SB), ou síndrome do esgotamento profissional, constitui-se em uma resposta psicológica ao estresse laboral crônico de caráter interpessoal e emocional”. O comprometimento cognitivo e afetivo é uma das características e pode gerar condutas de indiferenças, distanciamento interpessoal e sentimento de culpa. Também podem ocorrer ansiedade, apatia, sintomas físicos e psicológicos. Há casos que levam desde o absenteísmo e licenças médicas frequentes até a incapacidade total para o trabalho.

Para realizar esse estudo epidemiológico, foram selecionados docentes do ensino fundamental e médio de escolas da rede estadual de ensino das zonas urbana e rural. O questionário autoaplicável abordava questões sociodemográficas; aspectos de formação e ocupação; satisfação com o trabalho; condições laborais; e perfil de saúde. Para identificar a ocorrência de SB, foi utilizada a versão em português do instrumento “Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo (CESQT)” validada para a população de professores brasileiros.

Houve a participação de 745 docentes, das quais mais de 80% eram mulheres. Constatou-se a prevalência de 13,8% de acometimento de SB-total entre os docentes, e as dimensões mais prevalentes do CESQT, que estão relacionadas ao burnout, foram o “desgaste psíquico” (39,4%) e a “ilusão pelo trabalho” (19,7%). “A probabilidade de ser acometido pela SB foi maior entre os docentes mais novos, com filhos, que eram concursados/efetivos, que estavam insatisfeitos com o trabalho, que apresentavam desejo de mudar de profissão e que relataram a falta de apoio da direção escolar como incômodo relacionado ao trabalho”, analisam os autores.

O artigo ainda traz uma comparação entre os resultados encontrados em Minas Gerais com estudos realizados em outros estados brasileiros e diferentes países. “Espera-se que os resultados deste estudo possam nortear as diretrizes de políticas públicas de prevenção e promoção da saúde ocupacional dos docentes, com vistas a estabelecer intervenções, com estratégias de enfrentamento sobre as variáveis laborais e psicossociais, de modo a prevenir a ocorrência da síndrome de burnout nessa categoria profissional”, concluem os pesquisadores.  

Saiba mais

Leia o artigo – “Prevalência e fatores associados à síndrome de burnout entre docentes da rede pública de ensino: estudo de base populacional”.

Conheça a edição completa da RBSO no SciELO.

Fique por dentro das novidades da RBSO no Twitter.