Notícias

Programa de Bolsas IDEIA

Pesquisador bolsista explana sobre Estatística Aplicada ao Projeto de Pesquisa

Primeira oficina do Programa IDEIA é realizada pela Fundacentro
Publicado em 21/07/2021 17h21
Programa IDEIA_Twitter.jpg

Em dezembro de 2020, a Fundacentro recebeu bolsistas para compor o Programa de Bolsas IDEIA (Integração, Desenvolvimento e Inovação em Pesquisa Aplicada), conforme edital nº 4/2020. Os candidatos que ingressaram são pesquisadores com produtividade científica destacada, com título de livre docente, de doutorado obtido em Programa de Pós-Graduação strictu sensu reconhecido pela Capes ou doutores em instituição estrangeira.

“Nós temos oito bolsistas que estão interagindo, se integrando e desenvolvendo trabalhos junto a determinados projetos e seus respectivos coordenadores”, informa a diretora de Pesquisa Aplicada da Fundacentro, Erika Benevides.  Nas “Oficinas IDEIA”, os pesquisadores bolsistas falarão sobre metodologia, ferramentas, softwares, formas de trabalho, etapas, processos e compartilharão a expertise que envolve esses tópicos em termos práticos.

Nesta primeira edição, o pesquisador bolsista Hélio Doyle Pereira da Silva, que faz parte do projeto “Análise de bancos de dados e produção de estatísticas e indicadores sobre Segurança e Saúde no Trabalho (SST) – prospecção, diagnóstico e disseminação”, coordenado pelo pesquisador da Fundacentro, Celso Amorim Salim, conversa sobre “Estatística Aplicada ao Projeto de Pesquisa”.

Hélio possui doutorado em Estatística pelos Departamentos de Medicina/Estatística da Universitat de Barcelona – UB, Espanha, e salienta que ao ingressar na Fundacentro teve acesso e aprendeu muito sobre as fontes de dados, as bases de dados oficiais, os sites dos ministérios e tipos de dados e as conexões. Ele destaca a estatística sobre indicadores, que é utilizada para medir ou dimensionar eventos de segurança e saúde no trabalho (SST), sobretudo para a prevenção de acidentes.

Em seguida, Hélio destaca alguns projetos de pesquisa da Fundacentro em que ele pôde entender como funciona o sistema de trabalho/pesquisa da instituição, bem como o de SST. “Alguns projetos de pesquisa que eu tive contato, pude adquirir bastante bagagem para compreensão de como funciona o sistema de segurança e saúde no trabalho”, afirma.

Em um dos exemplos apresentados, o bolsista discorre sobre o projeto que é coordenado pela servidora Adriana Hilu, em que foi feita comparação de nove modelos de máscaras. Para mostrar o papel da estatística, o pesquisador informa que no projeto foi aplicada ANOVA (análise de variância que pode determinar se as médias de três ou mais grupos são diferentes) e Kruscal-Wallis (análise de variância de um fator em postos).