Notícias

Saúde em foco

Ministro da Educação inaugura oito obras na UFSM, duas delas no Hospital Universitário

Publicado em 12/05/2021 17h40 Atualizado em 12/05/2021 17h53
IMG_9865.JPG
IMG_9694.JPG
IMG_9698.JPG
IMG_9701.JPG
IMG_9720.JPG
IMG_9742.JPG
IMG_9757.JPG
IMG_9770.JPG
IMG_9795.JPG
IMG_9800.JPG
IMG_9809.JPG
IMG_9820.JPG
IMG_9832.JPG
IMG_9833.JPG
IMG_9853.JPG
IMG_9869.JPG
IMG_9872.JPG
IMG_9880.JPG
IMG_9905.JPG
IMG_9913.JPG
IMG_9948.JPG
IMG_9954.JPG
IMG_9955.JPG
IMG_9956.JPG
IMG_9963.JPG
WhatsApp Image 2021-05-12 at 12.54.17 (1).jpeg
WhatsApp Image 2021-05-12 at 12.54.18 (1).jpeg
WhatsApp Image 2021-05-12 at 12.54.21 (1).jpeg
WhatsApp Image 2021-05-12 at 14.11.14 (1).jpeg

Pela primeira vez nos últimos oito anos, um Ministro da Educação visita a Universidade Federal de Santa Maria. Na manhã de quarta-feira (12), Milton Ribeiro chegou ao aeroporto militar da Base Aérea, por volta das 11h, acompanhado do presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Oswaldo de Jesus Ferreira. O ministro veio inaugurar uma série de oito obras, duas delas – Central de Tratamento Intensivo e Central de Laboratórios –no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM).

A comitiva foi recebida pelo reitor e vice-reitor da Universidade Federal de Santa Maria, Paulo Afonso Burmann e Luciano Schuch – respectivamente –, pela superintendente do Hospital Universitário, Elaine Resener, pelo Comandante da Base Aérea, coronel Wilson Paulo Corrêa Marques, e pelo prefeito municipal Jorge Pozzobom. Todos foram conduzidos ao Centro de Convenções, no Campus da UFSM onde, seguindo os protocolos sanitários e de distanciamento social, pró-reitores e diretores de Centros os aguardavam. A cerimônia – que contou com a cobertura da mídia local – durou cerca de 40 minutos e foi transmitida pelo youtube da UFSM.

Antes do descerramento das placas de inauguração, que posteriormente serão fixadas nos devidos locais, o presidente da Ebserh – empresa que administra o Hospital Universitário – reiterou a importância do HUSM para à Assistência, o Ensino e a Pesquisa.

– Esse momento mostra que não estamos parados. O Hospital Universitário tem duas grandes entregas: ao paciente, que depende do SUS, qualidade e, principalmente, saúde. E aos nossos alunos, da graduação e pós-graduação, uma formação digna e de qualidade. Gostaria de registrar minha satisfação e parabenizar os profissionais de saúde. Nossos guerreiros estão dando suas vidas para salvar a vida de todos nós. – enfatizou Oswaldo de Jesus Ferreira.

A obra da Central de UTIs foi finalizada em 23 de dezembro do ano passado, mas ainda faltavam os equipamentos e mobiliários. Assim que foram sendo entregues, no final de fevereiro e durante o mês de março, os pacientes das UTI Covid, Adulto, Pediátrica e Neonatal foram transferidos. A obra durou cerca de 8 anos e teve um investimento final de cerca de R$ 12 milhões. São 62 leitos divididos em dois andares e uma área total de 4.507,19M². A UTI tem capacidade para ampliar até mais 20 leitos.

A Central de Laboratórios ganhou um prédio próprio de 3.233,55m², construídos nos fundos do hospital, próximo à entrada do Pronto-Socorro e interligado com a Central de UTIS e o próprio HUSM, por uma passarela. A obra foi construída com recursos do Programa de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), do Ministério da Educação, e teve um custo de R$ 9 milhões. A Central irá abrigar a Unidade Central de laboratórios de Análises Clínicas, o Laboratório de Anatomia Patológica, o Laboratório Especial de Biologia Molecular, de Citogenética, de Imunofenotipagem, a Unidade de Pesquisa Clínica, além de contar com anfiteatro e sala de aula para as práticas acadêmicas.

– Todas unidades de diagnóstico de análises clínicas e patologia clínica virão para o novo prédio. No momento que unificar, principalmente a anatomia patológica – que estava a mais de 500m da central do hospital ­– melhora a qualidade e agiliza o atendimento – afirma Elehu de Moura, Chefe do Setor de Apoio Diagnóstico.

O reitor da UFSM, Paulo Afonso Burmann, enfatizou a honra de receber o Ministro da Educação, bem como sua equipe, com quem a UFSM “tem estabelecido canais de diálogos indispensáveis para todos os momentos.”  Mas, recordou os cortes orçamentário sofridos pelas universidades, desde 2014. Falou sobre a aprovação da Lei Orçamentária Anual de 2021, que retornou à índices de investimento do início dos anos 2000, em uma universidade com mais que o dobro do tamanho de então.

- Nos custa muito a aceitar que R$ 31 milhões tenham sido deslocados dos Ministérios da Educação, da Saúde, da Ciência e Tecnologia para atender a um volume histórico de negociação de emendas parlamentares. Nesse contexto, as universidades públicas deixaram de receber, em relação ao orçamento de 2020, mais de R$ 1 bilhão. Sabemos do incansável empenho vosso e da vossa equipe no sentido de reverter esse desvio de foco, àquilo que é essencial para o Estado brasileiro: Educação, Saúde e Ciência – concluiu o reitor.

O Ministro da Educação, Milton Ribeiro, recordou que em um passado, nem tão remoto, o Sistema único de Saúde (SUS) foi muito criticado.

– Hoje o grande diferencial, no Brasil, é o trabalho de todos aqueles que compõem o SUS. Vim parar no MEC, no meio da maior crise humanitária dos últimos 10 anos, que o mundo vive. Ser ministro no meio de uma pandemia é algo desafiador.  Nesses tempos em que o governo federal é obrigado a selecionar se ele constrói um prédio a mais na educação ou coloca um pouco de comida no prato do brasileiro, é desafiador – concluiu.

Após a cerimônia, o Ministro e o presidente da Ebserh visitaram a área externa do hospital Universitário, para conhecer os prédios das Centrais de UTIs e de Laboratório. Na ocasião, após o registro fotográfico, a superintendente do HUSM apresentou indicadores das áreas de Assistência, de Ensino e Pesquisa, desde que a adesão à Ebserh. Enfatizou que foi possível recompor o quadro de pessoal, o que permitiu abrir todos os leitos que estavam fechados. A contratação de novos especialistas também permitiu ampliar a oferta de leitos (25%), consultas (82%), cirurgias (54%) e internações (43%).

- O aumento da oferta em todos esses serviços, oportunizou campo de estágio para alunos da graduação. Temos, atualmente, cerca 2,6 mil alunos em atividade no hospital. O número de programas de Residência Médica também aumentou. Até 2013, antes da Ebserh, eram 33 . Hoje são 55 programas. Na pesquisa de Satisfação do Residente, 91% respondeu estar muito satisfeito ou satisfeito quanto ao conhecimento adquirido na assistência prestada junto ao pacientes. A maioria deles - cerca de 81% - está satisfeita ou muito satisfeita quanto à supervisão e apoio do preceptor. Projetos de pesquisa registrados, só de COVID, em 2020, foram 26. Tudo isso é muito gratificante. – concluiu Elaine Resener.

 Outras obras inauguradas: Salas de aula do Centro de Ciências da Saúde, Bloco 5, em Frederico Wetsphalen, Casa do Estudante, em Cachoeira do Sul, Central de Laboratório de Cachoeira, Casa do Estudante II, em Palmeira do Sul, a ampliação do prédio 16B, no Centro de Educação, no Campus de Camobi, em Santa Maria.

Atuação da Ebserh e do MEC na Pandemia

 

Brasília (DF) - A contratação emergencial de profissionais de saúde, a disponibilização de leitos exclusivo e a liberação de recursos extraordinários são algumas das ações da Rede Ebserh de enfrentamento ao coronavírus destacadas pelo Ministério da Educação (MEC). A pasta lançou dia 05 de maio um relatório com seus principais trabalhos e de suas unidades vinculadas – entre elas, a Ebserh – em um ano de pandemia.

Segundo relatório, os esforços empreendidos pela Rede Ebserh resultaram em uma oferta de 2.048 leitos para o enfrentamento da Covid-19, sendo 1.285 leitos clínicos e 763 leitos de UTI.

Foram liberados, no exercício de 2020, pelo Governo Federal, créditos extraordinários, no valor de R$ 618,9 milhões para a contratação emergencial de profissionais, aquisição de insumos e medicamentos, dentre outros.