Notícias

Conselho aprova inclusão de 18 novos projetos na carteira do PPI

Conselho aprova inclusão de 18 novos projetos na carteira do PPI

- Foto: Rafael Carvalho/Casa Civil

Com a presença do presidente Jair Bolsonaro e sob a coordenação do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi realizada ontem(19), a 11ª reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos. 

A secretária especial do PPI, Martha Seillier, iniciou a reunião, relatando os resultados obtidos pelo Programa este ano: foram 35 ativos leiloados para a iniciativa privada, num total de R$ 442 bilhões de investimentos garantidos no país, além de R$ 90,7 bilhões de outorga, que vão possibilitar a retomada de políticas públicas.

A reunião dos conselheiros também previa a escolha de novos projetos para inclusão na carteira do PPI. Entre os 18 que entraram, estão o leilão de espectro de radiofrequências para redes de telecomunicações de quinta geração (Leilão 5G), a contratação pelo Gestor do Fundo Nacional de Desestatização de pareceres e estudos especializados necessários à desestatização do setor postal no Brasil e estudos de alternativas de parcerias que possibilitem ganhos de eficiência e resultado para a Empresa Brasileira de Comunicação.

"O PPI é o maior programa de concessões e privatizações do mundo, vem atraindo investidores do mundo todo e cumpre a promessa do presidente Jair Bolsonaro de tornar o estado menor e menos pesado para os brasileiros", afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, ao destacar que, pela primeira vez, será incluída uma iniciativa no setor da saúde, com a qualificação do Hospital Fêmina, de Porto Alegre/RS. "Vamos estudar alternativas de parcerias que modernizem e adaptem o hospital à política de fomento ao setor de atenção primária à saúde", explicou o ministro.
Abaixo, a relação dos novos projetos incluídos, mais a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) e o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) que já haviam sido qualificados para estudo na 10ª reunião do CPPI, tiveram suas desestatizações aprovadas e incluídas no Programa de Nacional de Desestatização.