Notícias

Internacional

Brasil passa a ter representantes em três dos principais organismos antidopagem no mundo

Durante a COP 8 da Unesco, Marco Aurelio Klein foi escolhido para compor a Comissão de Especialistas Independentes da agência da ONU. Secretária nacional da ABCD faz balanço da missão brasileira na Convenção
Publicado em 10/11/2021 11h17 Atualizado em 10/11/2021 11h42

O Brasil participou da oitava Sessão da Convenção Internacional Contra a Dopagem no Esporte da Unesco (COP 8), realizada em Paris, e saiu com um balanço positivo do encontro. Dentre os diversos temas debatidos e votações realizadas, Marco Aurelio Klein foi escolhido para compor a Comissão de Especialistas Independentes da agência da ONU. O sociólogo com especialização em administração e marketing foi o primeiro secretário nacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) em 2014.

Agora, o país passa a ter representantes nos principais organismos antidopagem no mundo. Leonardo Mataruna é integrante da comissão de educação da Agência Mundial Antidopagem (AMA-WADA) e a secretária nacional da ABCD, Luisa Parente, é membro do Conselho de Administração do Instituto das Organizações Nacionais Antidopagem (iNADO).

Integrante da delegação brasileira na COP 8, Luisa Parente ressaltou a participação do país nos debates, realizados a cada dois anos e que reúnem os 191 Estados signatários da Convenção. “O Brasil foi muito atuante, participamos das discussões em vários momentos. A gente não pode deixar de ter essa presença ativa e com respaldo técnico. Essa é uma condição para o Brasil se manter em evidência e atingir a sua missão de ser referência”, avaliou.

De acordo com a secretária nacional da ABCD, o trabalho realizado pela força tarefa que discutiu as consequências de não conformidade relativas ao questionário (ADLogic) da Unesco, grupo do qual o Brasil fez parte, foi elogiado pela diretoria da Convenção.

“Foi um modelo eficiente e objetivo de trabalho, que atingiu o resultado de elaborar o Marco Regulatório das Consequências da Conformidade, um documento de consenso, com representatividade e que foi aprovado. Agora, é possível que haja outro grupo de força tarefa para questões orçamentárias novamente com a participação do Brasil”.

Além de ratificar todas as resoluções da 7ª Conferência das Partes (COP7) da Convenção Internacional contra a Dopagem no Esporte, realizada em 2019, a oitava Sessão também serviu para que novas propostas fossem apresentadas. Dentre elas, uma certificação de conformidade para os Estados Partes que seguem os padrões exigidos pela Unesco no combate à dopagem no esporte.

Durante a COP 8, também foi submetida à consulta o desenvolvimento de melhorias no ADLogic (questionário de conformidade da Unesco) para o biênio, houve a reeleição da diretoria da Convenção e discussões sobre taxas devidas pelos Estados Partes à Agência Mundial Antidopagem. 

A delegação brasileira contou ainda com a representante do país na Unesco, Mayra Sato, com o analista técnico de Políticas Sociais da Assessoria Internacional do Ministério da Cidadania, Danilo Barbosa Mendoça, e com o diretor técnico da ABCD, Anthony Moreira.

Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania